Embaixada da Austrália
Portugal
Morada da Embaixada: Avenida da Liberdade, 200-2º, Lisboa - Telefone: 21 310 1500 - Fax: 21 310 1555 - austemb.lisbon@dfat.gov.au

OS CANGURUS DA AUSTRÁLIA

Os cangurus são animais nativos do continente australiano e de partes da Papua Nova Guiné. A maioria das espécies pode apenas ser encontrada na Austrália.

Existem mais de 60 espécies diferentes de cangurus e dos seus parentes próximos. Todos os cangurus pertencem à super-família Macropodidae (ou macrópodes, o que significa “pés grandes”).

A família dos macrópodes inclui os cangurus, os wallabies, os wallaroos, os pademelons, os cangurus das árvores e os wallabies da floresta. Estas espécies também existem na Papua Nova Guiné. As espécies da família macrópode variam muito em tamanho e peso, que pode ir dos 500g aos 90kg. A família Potoroinae (potoróide) inclui o potoru, o bettong e o rato-canguru, que vivem unicamente na Austrália.

Os cangurus de diferentes tipos vivem em todas as áreas da Austrália, das florestas tropicais com clima frio às planícies desertas e zonas tropicais.

Vida e habitat

Os cangurus são herbívoros e comem uma variedade de plantas e, em alguns casos, fungos. São, na maioria, nocturnos mas alguns estão activos no princípio da manhã e no fim da tarde. As diferentes espécies de cangurus vivem numa gama diversa de ambientes, Os potoróides, por exemplo, constroem ninhos, enquanto que os cangurus das árvores vivem acima do solo, precisamente nas árvores. As espécies maiores de cangurus tendem a procurar abrigo sob as árvores ou em grutas e em fendas de rochas.

Qualquer que seja o tamanho de um canguru, ele tem sempre uma coisa em comum – pernas traseiras poderosas e pés compridos. A maioria dos cangurus vive no solo e distingue-se dos outros animais pela forma como salta com as suas fortes pernas traseiras. A cauda do canguru é usada para dar equilíbrio quando ele salta e como um quinto membro quando ele se move devagar.

Todos os cangurus-fêmea têm bolsas marsupiais na parte da frente do corpo, que contêm quatro tetas. É na bolsa que os cangurus-bébés (conhecidos como “joey” na Austrália) são criado até serem capazes de sobreviver fora dela.

A maior parte dos cangurus não têm um ciclo de procriação definido e são capazes de se reproduzir durante o ano inteiro. Como se reproduzem de forma intensa, a sua população pode quadruplicar em cinco anos, caso tenha acesso a reservas abundantes de água e comida.

Gestão e utilização dos cangurus

Os cangurus foram desde sempre importantes para a sobrevivência dos povos indígenas da Austrália. Os aborígenes caçaram-nos durante dezenas de milhar de anos, tanto pela sua carne como pela pele. Quando os europeus chegaram à Austrália em finais do séc. XVIII, também caçaram cangurus para sobreviver.

Os cangurus continuam a ser utilizados como recurso mas apenas sob controlo rigoroso do governo. Todos os Estados e Territórios australianos possuem legislação de protecção dos cangurus. Somente as quatro espécies mais abundantes de cangurus e um número limitado de duas espécies de wallabies podem ser caçados comercialmente, por caçadores com licença.

O abate de cangurus e o ambiente

O meio ambiente da Austrália é frágil e degrada-se facilmente. As populações de cangurus aumentaram dramaticamente desde a colonização europeia, devido à introdução de métodos agrícolas europeus e de suplementos de água para o gado doméstico.

O abate de cangurus, efectuado dentro de controlos ambientais rigorosos estipulados pela Lei Federal de Protecção do Ambiente e Conservação da Biodiversidade de 1999, é uma indústria amiga do ambiente. Os cangurus evoluíram integrados no ecossistema australiano e, com os seus pés suaves, não provocam a erosão do solo nem danificam a paisagem das terras onde pastam. O abate comercial de espécies de cangurus abundantes contribui para a sustentabilidade do meio ambiente australiano.

As quatro espécies de cangurus que são caçadas comercialmente têm populações muito vastas e nenhuma delas está ameaçada ou em risco de extinção. O canguru vermelho, o canguru cinzento do leste e o canguru cinzento do oeste são as espécies mais abundantes e constituem mais de 90% da caça comercial. A dimensão do conjunto das suas populações tem flutuado entre os 15 e os 50 milhões de animais ao longo dos últimos 20 anos nas áreas de caça, dependendo das condições sazonais.

O abate de cangurus é decidido através de um sistema de quotas, revistas anualmente. As quotas são definidas com base nas dimensões e tendências da população, e em previsões climatéricas a longo prazo. A conservação das espécies merece está em primeiro lugar, assegurando esta abordagem uma gestão ecologicamente sustentável do abate de cangurus.

Não existe criação de cangurus na Austrália – eles são caçados em estado selvagem.

Ao abrigo da pela Lei Federal de Protecção do Ambiente e Conservação da Biodiversidade de 1999, é proibida a exportação de cangurus vivos, com algumas pequenas excepções para fins não-comerciais, tal como intercâmbios zoológicos.

Informações adicionais

http://www.environment.gov.au/biodiversity/trade-use/wild-harvest/kangaroo/index.html